quinta-feira

Tudo o que você sabe sobre traição pode está errado

Abaixe a guarda e prepare o coração para ouvir sobre um dos temas mais explosivos da vida a dois


- Amor é uma vacina que imuniza a todos contra o vírus da infidelidade, certo?

Errado!

- Mas a traição não destrói a vida amorosa?

Bem, não é exatamente assim...


A ala masculina considera que a infidelidade faz parte de sua natureza poligâmica. Os homens podem amar a esposa e desejar outras mulheres sem grande conflito. Já as mulheres, tradicionalmente educadas para associar sexo e amor, consideram que traição só é possível quando não se ama mais o parceiro, e sim outra pessoa.

Dependendo do tipo de traição, as reações variam. Uma pulada de cerca eventual, além de ser mais difícil de ser descoberta, não cria um vínculo. Por isso, é mais fácil de perdoar, raramente abala um casamento estável. Já um caso de longo prazo mexe com o relacionamento oficial e também com a estabilidade psicológica do infiel”. Afinal, trair dá trabalho: haja fôlego para inventar desculpas e atender demandas emocionais e sexuais de duas pessoas ao mesmo tempo.

E a responsabilidade pela traição não é só do traidor, pois essa atitude geralmente está relacionada à complexa dinâmica da vida a dois. A fidelidade é um pacto que o casal tem que validar a cada momento, não apenas no dia do casamento.

Mas uma coisa é certa. Quando a verdade vem à tona, a relação estremece.

Quem ama de verdade pode trair, sim.

Mesmo que ame sua mulher, o homem justifica a infidelidade pelo desejo de novidade e aventura, porque surgiu a oportunidade, por crises pessoais ou no casamento. Já as mulheres dizem trair por sentir falta de carinho e atenção ou por achar que não são mais desejadas pelo marido. Há também aquelas que traem para revidar as escapadas do parceiro. Mesmo pessoas felizes no casamento às vezes traem por curiosidade, para testar o poder de sedução ou para chamar a atenção do cônjuge.
E outro motivo, que vale para os dois sexos: alguns traem para reviver aquela sensação de excitação do início do namoro. Por isso, é importante o casal investir sempre no erotismo.

A traição nem sempre é inevitável em relações de longo prazo

A receita? A base desses casamentos é a amizade e a cumplicidade. Os casais sentem que isso é especial, não querem se arriscar a perder por causa de uma atração sexual passageira. Existem etapas críticas que deixam os casamentos mais vulneráveis à infidelidade: nos dois primeiros anos, quando a paixão perde o fôlego; por volta dos dez anos, quando o sexo costuma ficar mais morno; e em torno dos 20 anos, sobretudo se o casal não resolveu bem crises anteriores.

Não há um certo tipo de pessoa que trai.

Não há um perfil único, pois a ocasião também faz o infiel. Quando a oportunidade se apresenta, as pessoas mais mpulsivas podem ter dificuldade de resistir ao desejo. Por outro lado, há um tipo com maior predisposição. É o caso da figura muito narcisista, que tem dificuldade de criar vínculo afetivo e é movida pela necessidade de testar continuamente o seu poder de sedução. Seja homem ou mulher, em geral é alguém com auto-estima bastante comprometida, que procura se afirmar por meio das conquistas.

A traição não destrói o casamento

Na maioria das vezes o casamento continua, seguem juntos. Porém, permanecer na relação não é necessariamente sinônimo de felicidade conjugal, muitos não se separam por conveniência, por causa dos filhos, para não dividir os bens. “Na prática, vivem divorciados emocionalmente. Apenas alguns casais superam a traição e faz dessa experiência uma alavanca para melhorar o casamento. São aqueles que conseguem mudar o padrão do relacionamento: descobrem o que os afastou e se reaproximam, passam a cuidar mais da relação.

O parceiro traído nem sempre sabe que isso está acontecendo

Até porque nem todo mundo quer esclarecer a questão. Boa parte dos homens diz preferir não saber se a mulher trai. Desde que ela pareça fiel, para eles está tudo bem. Já as mulheres, buscam o tempo todo provas da fidelidade ou infidelidade do marido. No entanto, ainda que captem sinais, tanto elas quanto eles relutam em admitir a situação.
Dá medo de encarar a verdade. Mesmo quem sente que há algo errado precisa passar por um processo interno para admitir. E há quem ache mais confortável fingir não saber.

Homem trai mais do que mulher

Sim.
Há controvérsias sobre quanto a mais.

2 comentários:

Anônimo disse...

Direitos iguais. Comecemos por aí. As diferenças fisiológicas não irão, de forma alguma, influenciar. É uma questão de alma. O que um sente, o outro sente. Acho que tanto a mulher como o homem têm, os dois, direitos iguais.
Feliz a tribo indígena que, ao dizer que "indio velho fica com índia nova e india velha com indio novo" estabelecia a harmonia das idades e dos sexos. Alguem duvida? cchmrs@hotmail.com

WG disse...

Não, não duvido.
Essa 'torca de interesse' é muito benéfica para todas as 'partes' envolvidas. risos

 
Suave