sábado

Digamos que você não seja assim
tão seguro e inteligente como diz
vai ver me trai toda semana
levaria pra cama minha melhor amiga
faria intriga a meu respeito
falaria mal dos meus defeitos
garanto que não usa o sapato que dei

pode ser que você não goste
dos beijos que diz gostar
faz tudo só por fazer e me testar

vai ver não tem nem emprego
pede dinheiro emprestado
bate com o carro no meio fio
você não tem nenhum caráter
passou por mim e fingiu que não viu

vai ver você morre de medo
de se olhar no espelho de dia
seu saldo está no vermelho
seu cão morto de fome
e você com raiva da vida
digamos que você não seja solteiro
e eu entrei numa fria.

4 comentários:

Apogeu disse...

Nossa, me identifico demias com essa poesia..rs, não se ofendas quando digo isso, mais é cronica perfeita dos inseguros, melhor dizendo daqueles que buscam a maior das impossibilidades da vida, que é a certeza, e me confesso um desse..rs. Mas pra que alimentar uma angutia,que so tera fim, se descobrires algo que lhe tirara a felicidade.

Desculpa invadir teu espaço assim, acheio sem querer na busca por uma imagem, me identifico com muitas das coisas que vc escreve, apesar de mulher e eu homem, espero que não se importe de te acompanha aqui no blog.

grande xero.

Alex Gabriel disse...

Impressionam-me suas poesias, ousadas, cruas, profundas e sinceras por tudo isso. Gosto em especial desta, que termina até com um certo humor. Bom lê-la em voz alta. Já aprendi até a dizê-la sem leitura. Um afetuoso abraço.

WG disse...

Apogeu,
mi casa,
tu casa!
;)

WG disse...

Alex Gabriel,
fico feliz pelo dito e pelo abraço. Obrigada ;)

 
Suave